how to develop own website
DECRETO No 47.052 DE 29 DE ABRIL DE 2020  DISPÕE SOBRE AS MEDIDAS DE ENFRENTAMENTO DA PROPAGAÇÃO DECORRENTE DO NOVO CORONAVÍRUS (COVID-19), EM DECORRENCIA DA SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA EM SAÚDE E DÁ OUTRAS ROVIDÊNCIAS. 
O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições constitucionais, legais e
CONSIDERANDO:
- que o Estado do Rio de Janeiro reconheceu a situação de emergência em saúde por meio do  Decreto no 46.973, de 16 de março de 2020; 
- a necessidade de atualizar as medidas de proibição para o enfrentamento do coronavírus (COVID- 19) em decorrência de mortes já confirmadas e o aumento de pessoas contaminadas; 
- que a omissão do Estado do Rio de Janeiro poderá gerar um grave transtorno à saúde coletiva e a responsabilização de seus agentes e do próprio Estado decorrente dessa omissão; 
- que a saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e
econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e  igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação, na forma dos artigos 196 e 197 da Constituição da República; 
- as diretrizes de atendimento integral, universal e igualitário no SUS, que compreendem as ações  de proteção e recuperação de saúde individual e coletiva, conforme o artigo 289, inciso III, da Constituição do Estado do Rio de Janeiro; 
- a necessidade de regulamentação, no Estado do Rio de Janeiro, da Lei federal no 13.979/2020,  que dispõe sobre as medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública decorrente do coronavírus responsável pelo surto de 2019; 
- o Decreto no 7.616, de 17 de novembro de 2011, que dispõe sobre a Declaração de Emergência  em Saúde Pública de Importância Nacional - ESPIN e a Declaração de Emergência em Saúde Pública de Importância Internacional OMS em 30 de janeiro de 2020; - as medidas de emergência em saúde pública de importância nacional e internacional, ou seja, as situações dispostas no Regulamento Sanitário Internacional, promulgado pelo Decreto Federal no 10.212, de 30 de janeiro de 2020; 
- a Portaria no 188, de 03 de fevereiro de 2020, do Ministério da Saúde, que dispõe sobre a  Declaração de Emergência em Saúde pública de Importância Nacional (ESPIN) em decorrência da Infecção Humana pelo novo coronavírus (COVID-19), especialmente a obrigação de articulação dos gestores do SUS como competência do Centro de Operações de Emergências em Saúde Pública (COE-nCoV); - o estado de exceção em decorrência da emergência de saúde pública decorrente do coronavírus (2019-nCoV); e - que atos editados pelo Poder Executivo Municipal em decorrência da pandemia do Coronavírus, tratando do mesmo tema, vem provocando perplexidade e insegurança 
à população; D E C R E TA :
Art. 1o - Este Decreto estabelece novas medidas temporárias de prevenção ao contágio e de  enfrentamento da emergência em saúde pública de importância internacional, decorrente do novo Coronavírus, vetor da COVID-19, bem como, reconhece a necessidade de manutenção da situação de emergência no âmbito do Estado do Rio de Janeiro. 
Art. 2o - Qualquer servidor público, empregado público ou contratado por empresa que presta  serviço para o Estado do Rio de Janeiro, que apresentar febre ou sintomas respiratórios (tosse seca, dor de garganta, mialgia, cefaleia e prostração, dificuldade para respirar e batimento das asas nasais) passa a ser considerado um caso suspeito e deverá adotar o protocolo de atendimento especifico expedido pelo Secretário de Estado de Saúde. 
§1o - Nas hipóteses do caput deste artigo, qualquer servidor público, empregado público ou  contratado por empresa que presta serviço para o Estado do Rio de Janeiro, deverá entrar em contato com a Administração Pública para informar a existência de sintomas. 
§2o - Os gestores dos contratos de prestação de serviços deverão notificar as empresas contratadas  quanto à responsabilidade destas em adotar todos os meios necessários para conscientizar seus funcionários quanto aos riscos da COVID-19 e quanto à necessidade de reportarem a ocorrência de sintomas de febre ou sintomas respiratórios, estando as empresas passíveis de responsabilização contratual em caso de omissão que resulte em prejuízo à Administração Pública. 
Art. 3o - O servidor público deverá exercer suas funções laborais, preferencialmente, fora das  instalações físicas do órgão de lotação, em trabalho remoto (regime home Office), desde que observada a natureza da atividade, mediante a utilização de tecnologia de informação e de comunicação disponíveis. 
§1o - A autoridade superior, em cada caso, deverá expedir ato de regulamentação do trabalho  remoto em atenção à manutenção da continuidade e essencialidade das atividades da Administração Pública. 
§2o - Poderá, ainda, a autoridade superior conceder antecipação de férias ou flexibilização da  jornada com efetiva compensação. 
§3o - As reuniões administrativas serão preferencialmente não presenciais (virtuais) utilizando-se  dos meios tecnológicos de informação e de comunicação disponíveis. 
Art. 4o - De forma excepcional, com o único objetivo de resguardar o interesse da coletividade na  prevenção do contágio e no combate da propagação do Coronavírus (COVID-19), diante de mortes já confirmadas e o aumento de pessoas contaminadas, DETERMINO A SUSPENSÃO, até o dia 11 de maio de 2020, das seguintes atividades: I - realização de eventos e de qualquer atividade com a presença de público, ainda que previamente autorizadas, que envolvem aglomeração de pessoas, tais como evento desportivo, show, salão de festa, casa de festa, feira, evento científico, comício, 
passeata e afins, bem como, em locais de interesse turístico como Pão de Açúcar, Corcovado,  Museus, Aquário do Rio de Janeiro - AquaRio, Rio Star rodagigante e demais pontos turísticos; II - atividades coletivas de cinema, teatro e afins; III - visitação às unidades prisionais, inclusive aquelas de natureza íntima. A visita de advogados nos presídios do Estado do Rio de Janeiro deverá ser ajustada pelo Secretário de Estado de Administração para possibilitar o atendimento das medidas do presente Decreto. IV - transporte de detentos para realização de audiências de qualquer natureza, em cada caso, o Secretário de Estado de Administração Penitenciária deverá apresentar  justificativa ao órgão jurisdicional competente; V - a visita a pacientes diagnosticados com o COVID-19, internados na rede pública ou privada de saúde; VI - as aulas presenciais, sem prejuízo da manutenção do calendário recomendado pelo Ministério da Educação, nas unidades da rede pública e privada de ensino, inclusive nas unidades de ensino superior, conforme regulamentação por ato infralegal expedido pelo Secretário de Estado de Educação e o Secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação; VII - o curso do prazo processual nos processos administrativos perante a Administração Pública do Estado do Rio de Janeiro, bem como, o acesso aos autos dos processos 
físicos; VIII - a circulação do transporte intermunicipal de passageiros nos seguintes casos: a) que  liga a região metropolitana à cidade do Rio de Janeiro, à exceção do sistema ferroviário e aquaviário, que operarão com restrições definidas pelo Governo do Estado em regramento específico, para atendimento a serviços essenciais nas operações intermunicipais entre a capital e os municípios da Região Metropolitana do Rio de Janeiro; b) que transporta passageiros nas modalidades: REGULAR, FRETAMENTO e COMPLEMENTAR, entre a região metropolitana e os demais municípios do Estado 
do Rio de Janeiro; e c) que transporta passageiros nas modalidades: REGULAR, FRETAMENTO e  COMPLEMENTAR, entre o conjunto formado pelos municípios de Volta Redonda, Barra Mansa e Pinheiral, e demais regiões do Estado do Rio de Janeiro, que operarão com restrições definidas pelo Governo do Estado em regramento específico, para atendimento a serviços essenciais. IX - a circulação de transporte interestadual de passageiros com origem nos seguintes Estados: São Paulo, Minas Gerais, Espirito Santo, Bahia, Distrito Federal e demais estados em que a circulação do vírus for confirmada ou situação de emergência decretada. Compete à Agência Nacional de Transportes 
Terrestres - ANTT ratificar esta determinação até o início da vigência do presente dispositivo; X - a  operação aeroviária de passageiros internacionais, ou nacionais com origem nos estados São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo, Bahia, Distrito Federal e demais estados em que a circulação do vírus for confirmada ou situação de emergência decretada. A presente medida não recai sobre as operações de carga aérea. Compete à Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC ratificar esta determinação até o início da vigência do presente dispositivo. O Estado do Rio de Janeiro deverá ser 
comunicado com antecedência nos casos de passageiros repatriados para a adoção de medidas de  isolamento e acompanhamento pela Secretaria de Estado de Saúde; XI - atracação de navio de cruzeiro com origem em estados e países com circulação confirmada do Coronavírus ou situação de emergência decretada. A presente medida não recai sobre a operação de cargas marítimas. Compete à Agência Nacional de Transportes Aquaviários - ANTAQ ratificar a presente determinação até o 
início da vigência do presente dispositivo; XII - o transporte de passageiros por aplicativo, apenas,  no que tange ao transporte de passageiros da região metropolitana para a Cidade do Rio de Janeiro, e vice-versa; XIII - funcionamento de academias, centros de ginástica e estabelecimentos similares; 
XIV - funcionamento de shopping centers, centros comerciais e estabelecimentos congêneres. A  presente suspensão não se aplica aos supermercados, farmácias e serviços de saúde, como hospitais, clínicas, laboratórios e estabelecimentos congêneres, em funcionamento no interior dos estabelecimentos descritos no presente inciso; XV - frequência, pela população, de praias, lagoas, rios e piscinas públicas; e XVI - funcionamento de bares, restaurantes, lanchonetes e estabelecimentos congêneres, limitando o atendimento ao público a 30% (trinta por cento) da sua capacidade de lotação, com a normalidade de entrega e retirada de alimentos no próprio estabelecimento. A presente medida não se aplica aos estabelecimentos sediados no interior de hotéis, pousadas e similares, que deverão funcionar apenas para os hospedes e colaboradores, como forma de assegurar as medidas de prevenção. 
§1o - Em função do isolamento da Cidade do Rio de Janeiro, o Governo do Estado emitirá regramento  específico para funcionamento dos sistemas de transporte intermunicipal ferroviário e aquaviário  para exclusivo atendimento a serviços essenciais nas operações intermunicipais entre a capital e os municípios da Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Os serviços considerados essenciais serão definidos em regramento próprio, assim como as forças de segurança pública na garantia do cumprimento das regras estabelecidas neste Decreto. 
§2o - O Departamento de Transporte Rodoviário (DETRO) fica autorizado a fazer as adequações  necessárias nas linhas de transporte intermunicipal entre os municípios fluminenses, com vistas à manutenção dos serviços essenciais. 
§3o - Recomendo que a Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e as demais Prefeituras do Estado  do Rio de Janeiro, em atenção ao princípio da cooperação, adotem medidas de igual teor como única forma de preservar vidas e evitar a proliferação do Coronavírus (COVID-19). A adoção das medidas aqui recomendadas, após a sua formalização, pela administração municipal, deverão ser encaminhadas ao Governo do Estado do Rio de Janeiro por intermédio da Secretaria de Estado de Governo e Relações Institucionais. 
§4o - As forças de segurança do Estado do Rio de Janeiro deverão atuar para manter o cumprimento  das disposições do presente Decreto, sendo certo que para tal fim, poderão fotografar e filmar todos aqueles que descumprirem as medidas previstas no presente artigo, a fim de instruir ato de comunicação ao Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, sem prejuízo da instauração de procedimento investigatório para apurar a ocorrência de crime e infração administrativa. A administração Pública deverá assegurar o sigilo das informações. Dessa forma, fica vedada a divulgação de fotografia e filmagem. 
Art. 5o - Fica autorizado o funcionamento das feiras livres que realizem a comercialização de  produtos de gênero alimentício e que tem papel fundamental no abastecimento local, desde que cumpram as determinações da Secretaria de Estado de Saúde e, ainda, que as barracas mantenham distanciamento mínimo de 2 (dois) metros e disponibilizem álcool 70% aos feirantes e público. 
Parágrafo Único - Compete às Prefeituras Municipais ratificar a presente determinação.
Art. 6o - Fica autorizado em todo o Estado do Rio de Janeiro o funcionamento de pequenos  estabelecimentos, tais como: lojas de conveniência, mercado de pequeno porte, açougue, aviário, padaria, lanchonete, hortifrúti e demais estabelecimentos congêneres que se destinam à venda de alimentos, bebidas, materiais de limpeza e higiene pessoal, vedada a permanência continuada e a aglomeração de pessoas nesses locais. 
Art. 7o - Fica autorizado o funcionamento de forma irrestrita de todos os serviços de saúde, tais  como: hospitais, clínicas, laboratórios e estabelecimentos similares, ainda que esses funcionem no interior de shopping centers, centros comerciais e estabelecimentos congêneres. 
Art. 8o Fica autorizado o funcionamento de forma plena e irrestrita de supermercados, mercados e  demais estabelecimentos comerciais que possuam em seu CNAE os serviços de varejo e comercialização de produtos alimentícios. 
§1o - Os estabelecimentos comerciais de que trata o caput do presente artigo, deverão atentar sobre  a necessidade de afastamento entre os consumidores com distância mínima de 1 (um) metro e sem aglomeração de pessoas. 
§2o - Cada estabelecimento deverá dispor de quantidade suficiente de colaboradores para assegurar  o pleno funcionamento de suas atividades, como forma de garantir o abastecimento da população. 
§3o - Os estabelecimentos deverão disponibilizar, sabonete líquido, papel toalha e água corrente  para a correta assepsia de clientes e funcionários. 
§4o - Para garantir o abastecimento dos estabelecimentos descritos no caput do presente artigo,  ficam suspensas, enquanto perdurar a vigência do estado de calamidade pública e em caráter excepcional, todas as restrições de circulação de caminhões e veículos destinados ao abastecimento de alimentos. 
Art. 9o - Fica autorizado em todo o Estado do Rio de Janeiro o funcionamento de estabelecimentos  comerciais, apenas em regime de entrega em domicílio, exceto os estabelecimentos comerciais de que tratam os incisos XIV e XVI do art. 4o, art. 6o e o art. 8o do presente decreto, que deverão observar as restrições daqueles dispositivos. 
Art. 10 - As Secretarias de Estado e os demais órgãos integrantes da Administração Pública poderão  expedir atos infralegais em conjunto com a Secretaria de Estado de Saúde para regulamentar o presente Decreto, nos limites de suas atribuições. 
Art. 11 - Determino a manutenção da avaliação da suspensão total ou parcial do gozo de férias dos  servidores da Secretaria de Estado de Saúde, Secretaria de Estado da Policia Civil, Secretaria de Estado de Policia Militar, Secretaria de Estado de Defesa Civil e Secretaria de Estado de Administração Penitenciária, a fim de que não se comprometam as medidas de prevenção. 
Art. 12 - As pessoas jurídicas de direito privado que prestam serviços à população em geral deverão  observar as boas práticas recomendadas pela Organização Mundial da Saúde e, ainda, realizar rotina de assepsia para desinfecção de torneiras, maçanetas, banheiros e de suas dependências, além de disponibilizar equipamento de proteção individual e antissépticos à base de álcool para uso do público em geral. 
Art. 13 - Recomendo que as pessoas jurídicas de direito privado em atenção ao princípio da  solidariedade efetuem a venda do álcool em gel a preço de custo para o consumidor. 
Art. 14 - Em caso de descumprimento das medidas previstas neste Decreto, as autoridades  competentes devem apurar as eventuais práticas de infrações administrativas previstas no artigo 10 da Lei Federal no 6.437, de 20 de agosto de 1977, bem como do crime previsto no artigo 268 do Código Penal. 
Art. 15 - Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação, ficando revogado o Decreto no  47.027, de 13 de abril de 2020. 
Rio de Janeiro, 29 de abril de 2020
WILSON WITZEL